Destaques

  • Eu sofri abusos quando criança e depois de adulta tive relações com homens mas não senti nada apenas dor e me sinto atraida por mulheres. Eu tenho tendencia a ser lesbica?

    Werica, 21 Anos - Ver Resposta

    Oi Werica.
    Não necessariamente você seja lésbica. É preciso investigar essa questão.
    Pode ser que o abuso tenha influência no que você está sentindo. Mas não é uma verdade que todas as pessoas que sofreram abuso tenham dificuldades sexuais mais tarde.
    Penso que é importante consultar um terapeuta sexual para entender o que está acontecendo com você. Pois desse modo você poderá tirar as dúvidas, se definor enquento orientação sexual e ter uma vida sexual do modo gostoso e saudável.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Olá. Namorei por 2 anos um rapaz que era até muito mulherengo, um dia eu cheguei em sua casa e o peguei se masturbando com um pênis de borracha . Ele me prometeu que não iria fazer mais isso, mas passado algum tempo encontrei um outro pênis ainda maior em sua gaveta. Terminei com ele e passado uns dias ele já tinha 2 namoradas mas vivia atrás de mim. Como o amo muito resolvi voltar, ele largou os 2 casos e vivemos juntos já a algum tempo. Preciso saber. É normal uma pessoa gostar de mulher e de se masturbar com um penis de borracha sem gostar de homem? Ele pode ser viado também? Como chama isso? Veja bem, pode ser sincero eu também quero ajuda-lo e ser for possível encaminha-lo a um médico, mas preciso de uma opinião.

    Marcia, 30 Anos - Ver Resposta

    Olá Márcia.
    Percebo que essa situação mexeu com você, não é?
    Mas algumas coisas precisam serem esclarecidas tanto para você quanto para ele. Entre elas, seria importante saber como fica essa questão para ele, o que isso representa para ele, se é apenas uma fantasia ou algo da qual ele tem vontade de vivenciar. De nada adiantará fazer promessas. Outra questão é: O que ele pretende com você no que diz respeito a uma vida em comum.
    Imagino que ele também deve ter ficado embaraçada com essa questão, e de algum modo, pode ser que ele também esteja em conflito com essas questões, e isso traga sofrimento.
    Por outro lado, como foi para você se deparar com isso? O que sentiu? É importante você saiber, que não necessariamente ele seja homossexual por causa disso. É natural do ser humano fantasiar, e quando fantasiamos, não significa que iremos realizar ou que temos vontade de viver aquela situação na prática. Fantasiamos coisas às vezes, que só queremos que fique na fantasia. Não há nada de errado nisso. Somos livres para fantasiar, sem precisar pedir a autorização a alguém.
    Pelo que você fala, a questão do interesse sexual dele é bem grande (você disse mulherengo), e muito provavelmente ele busque esse prazer de diversas formas e pessoas. Caberia aqui uma questão para ele: O que de fato ele busca numa relação?
    Você pode sim ajudá-lo. Aliás, não só a ele como a você também. Penso que seria muito importante vocês conversarem bastante abertamente sobre essas questões, com respeito e sem melindres, tentando compreender como o outro pensa e sente. Além disso, vocês se beneficiariam muito, tanto na vida individual como na do casal se procurarem um psicólogo, na qual poderão discutir com mais profundidade essas e outras questões.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Doutor, tenho 17 anos, e descobri muito cedo que sou homossexual. Vivo em grande sofrimento por ser assim diferente dos outros. Observo meus amigo e eles são muito diferente de mim. Venho optando a cada dia para o isolamento e tenho sofrido dia a dia, por ser assim. Frequento uma igreja e vejo um tremendo preconceito em relação a homossexuais e lá diz que é um dos maiores pecados etc. Doutor, sinceramente, não sei mais o que fazer. A minha vida está uma bagunça desde que descobri isso.Muitas veses vem pessamentos de morte, ou seja, penso em suicídio. O que eu devo fazer para acabar com esse sofrimento? Me responda, por favor. Obrigado!

    Bruno, 17 Anos - Ver Resposta

    Olá Bruno, que bom que você está buscando ajuda.
    De fato, vivemos uma sociedade muito preconceituosa.
    Compreendo seu sofrimento. Sei que é muito ruim não ser entendido, sentir o preconceito dos amigos e na igreja. É claro que o seu afastamento nada mais é do que um reflexo do modo como o tratam e lidam como assunto da homossexualidade.
    Infelizmente a igreja que tem um discurso que muitas vezes vai para o lado da hipocrisia, pregando igualdade e que "todos somos filhos de Deus e iguais perante ele", acabam pecando gravemente com esse preconceito.
    Bruno, ser homossexual não é crime, não tem nada de errado com você, mas infelizmente tem de errado na cabeça de muitas pessoas ainda ignorantes com relação a esse assunto.
    Á homossexualidade não é esse pecado terrível que eles pregam. Você não vai deixar que ir para o céu ou ser salvo por Jesus por ser homossexual (se é que essa idéia de ser salvo e ir pra o céu tem fundamento).
    Esses sentimentos que você tem não contribuem para o seu bom desenvolvimento. É importante você compartilhar desses sentimentos com pessoas que o aceite como você é, que compreenda de fato o que é a homossexualidade e que respeito você. Por isso, procure lugares e pessoas para isso. Ficar se isolando não é bom, não ajudará em nada, muito pelo contrário, deixará você triste e deprimido.
    Sugiro também que você pesquise leia muito sobre a homossexualidade, não para discutr com as pessoas, mas sim para ajudá-lo a entender que você não é doente por ser homossexual.
    Se possível, vá a um psicólogo. Esse profissional pode ajudá-lo muito a lidar com esses sentimentos e situações.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • doutor sou casada nao sinto tesao pelo meu marido nem nunca tive prazer so que eu adoro me masturbar vendo filmes pornos de lesbicas sozinha tenho desejos mas nunca senti atração por uma mulher mesmo so na hora da masturbação e quando estou com meu marido nunca pensei em mulher me ajude doutor sou bi sou lesbica ????? estou desesperada

    Alexia, 26 Anos - Ver Resposta

    Olá Alexia.
    Essas coisas costumam confundir as pessoas. Será preciso investigar isso na sua vida. Mas há um dado relevante que é você não sentir desejo pelo seu marido. Isso não é bom e precisa de atenção.
    As possibilidades para isso são várias, que podem ter relação com você ser lésbica, como também desejar uma relação sexual como as mulheres costumam ter com, muitos carinhos, toques...
    Perceba que sua carência está inclusive exposta no seu endereço de e-mail, não vejo que isso seja por um acaso.
    Seria muito legal você ir a um psicólogo para discutir essas questões, pois não dá para pensar numa relação saudável se não há desejo sexual.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Dr, tudo bem? Olha, atualmente ando muito angustiado. Fui casado durante 6 anos e tive uma plena vida heterossexual. Após minha separação comecei a manter muitas relações sexuais com prostitutas e há um ano comecei a sentir fortes desejos homossexuais e perda de atração em mulheres. Não quero isto, me masturbo pensando em homens, coisa que nunca fiz. Desde a adolescência só pensava em mulheres. Isto está me deixando muito angustiado e deprimido, o que faço? Obrigado

    José, 38 Anos - Ver Resposta

    Oi José. Imagino a confusão que deve estar a sua cabeça. E não é para menos.
    É muito difícil falarmos em sexualidade 100% hetero ou 100% homo. Mas existe no decorrer da vida a possibilidade de se experimentar o outro lado. O que não significa, por exemplo, que a pessoa seja homossexual, mas sim, que naquele momento, naquele período, ele sente vontade de se relacionar, mesmo que esporadicamente, de alguma forma com uma pessoa do mesmo sexo, mas que depois voltam a sua orientação sexual anterior. Veja o exemplo de pessoas na prisão, ou mesmo nas Forças Armadas, na qual, lá dentro elas mantém relações homossexuais, mas tão logo vão para o convívio normal elas voltam a se relacionar como sexo oposto.
    Há também aquelas pessoas se enquadram na bissexualidade, que se sentem bem ao se relacionar com homens ou mulheres.
    Porém, penso que seria importante no seu caso, uma análise mais profunda. Entender o porquê da separação, dos muitos relacionamentos com garotas de programas e desde então com homens também.
    Percebo que essa situação tem gerado muitas dúvidas, insatisfação e angústia em você. Continuar dessa maneira não é saudável e pode ser que isso gere outras complicações.
    Penso que conversar pessoalmente com um especialista em sexualidade, para aprofundar nessas questões, pode ajudá-lo a resolver esses conflitos.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Ola!!! sou gay e namoro um rapaz eu tenho feito relaçôes com ele umas 10 vezez nessas relaçôes só fiz o papel de ativo uma vez, porque na hora que vou fazer o ativo eu brocho. Eu falo para ele que nao sou impotente porque já tive relaçoes com mulher eu nunca brochei oque você acha sobre isso, sera que eu tenho a probabilidade de ser só passivo? e se isso acontecer será que nao terei mais eraçao no futuro? como que eu faço pra satifazer melhor meu companheiro???

    Williamns, 21 Anos - Ver Resposta

    Williamns, a dificuldade com a ereção é um sintoma que mostra que algo não está bem. Porém, cada caso precisa ser analisado individualmente. É preciso saber o que, o seu caso, está causando isso. Várias são as possibilidades, desde uma não identificação com o modo como é desempenhado o papel sexual até questões psicológicas.
    Seria prudente você ir a um terapeuta sexual para saber o que está causando essa dificuldade em você.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Como pode uma filha unica tratada com todo o amor dos pais e libertade, agora dizer que é gay. Isso para mim foi a mesma coisa que a morte. Quando engravidei o meu desejo era ter uma menina o que foi realizado, porém hoje estou perdida com essa revelação e a agressividade com que sou tratada por ela.

    Ilza, 50 Anos - Ver Resposta

    Ilza, entendo sua frustração e sofrimento. Porém ser gay independe do modo como a pessoa foi tratada.
    Porém, se ela está agressiva com você, muito provavelmente é conseqüência também do modo agressivo e preconceituoso que você a trata. As pessoas que são gays, já sofrem um preconceito na sociedade em que vive, e em casa, com a família, tais pessoas gostariam muito de ser acolhidas, amadas e tratadas com respeito.
    Se você não quer que sua filha se afaste cada vez mais de você, ou mesmo perdê-la, será preciso que você mude seus comportamentos. Ela precisa de apoio, de carinho, pois não é fácil viver numa sociedade que é preconceituosa.
    Sei que é muito difícil para você essa situação, que provavelmente você não saiba como lidar com tudo o que está acontecendo, por isso, seria muito bom que você fosse a um psicólogo para ajudá-la a entender o que é a homossexualidade, e trabalhar esse sofrimento que você está sentindo.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • DR. vivo um relacionamento no qual por opçao sou passivo,, e meu parceiro ativo, sei que ele ja viveu uma relação sendo o passivo da historia e de uns tempos atras ele me pediu para ser ativo mas não consigo, ele então disse que era para esquecermos essa historia, apesar de saber que ele esta com muita vontade de ser passivo... gostaria de saber se há possibilidades de ele fazer algo escondido ?, ou se isso e facil simplesmente de esquecer? oque devo fazer?

    Luis, 30 Anos - Ver Resposta

    Oi Luis. Não tenho como responder com um sim ou não.
    Isso depende de cada pessoa, de cada configuração de relação e do quanto é importante para ele essa questão.
    Converse com ele, fale de sua insegurança, penso que é o melhor que pode ser feito, pois, controlá-lo não será possível.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Caro Dr, como faço para saber se meu filho é homossexual ou não? Estou cada vez mais apavorada com o comportamento dele e muito triste com a forma com que ele vem se comportando nos últimos três anos. Busca o isolamento, não se interessa por meninas, não tem um círculo de amigos, vive sempre na internet não gosta de contatos sociais. Ele fez 15 aninhos no dia 3 de março deste ano. Está cursando o 1º ano do ensino médio. Tem uma história de vida complicada, pois quando ele tinha três aninhos de idade eu me separei do pai dele e me casei com outro homem com o qual vivemos até hoje. Este homem nunca o tratou como filho. Alcoólico, sempre nos tratou mal. Separamos várias vezes e meu filho detestava-o até pouco tempo. Sempre estudou em escolas católicas. Neste ano tive de tirá-lo deste colégio porque ele ameaçou até de nunca mais ir para a escola se eu o matriculasse no Dom Bosco novamente. Algum tempo depois descobri que ele não queria mais estudar lá porque foi estigmatizado pelos colegas de homossexual. Desconheço qualquer caso de homossexualismo na família do pai dele e na minha também. Pelo menos, assumidamente, não há nenhum homossexual. Ele foi criado junto com mais dois primos da mesma idade. Há três anos ele começou a se afastar dos primos e este ano praticamente rompeu com um deles. Já desesperada com este comportamento, procurei saber dos coleguinhas de escola e dos primos o motivo desses rompimentos. O meu sobrinho com quem ele rompeu relacionamento disse que não tem paciência para lidar com "bicha". Disse-me que o fato de meu filho ser homossexual o envergonha diante dos colegas de escola. Confesso que levei um choque e até hoje não consigo dormir em paz. Já tentei conversar com meu filho sobre a sexualidade dele, mas ele não quer discussão. Apenas afirma que não é homossexual. No entanto, há cerca de três ou quatro anos, entre os 12 e 13 anos de idade, estávamos assistindo televisão, eu e ele, quando ele me perguntou o que eu achava dos homossexuais. Depois que falei o que eu achava, ele perguntou se eu iria ficar muito triste se tivesse algum homossexual na família. Lembro-me que falei que não ficaria não, pois trabalharia minha cabeça para aceitar cada um do jeito que cada um é. Depois dessa conversa, ele se fechou e nunca mais bateu papo comigo sobre seus sonhos, desejos etc. Nesta semana ele se depilou todinho alegando que se acha muito cabeludo e que os colegas dele não são tão cabeludos assim. Descobri, recentemente, que sou preconceituosa sim. Sou uma pessoa extremamente preconceituosa com homossexuais. Cheguei a descobrir que não só com homossexuais, mas também sou preconceituosa com tantas coisas e tenho tantos medos. Confesso que não queria que meu filho fosse homossexual. Afinal, ele é meu único filho e sempre sonhei com aquela família burguesa, com netos, tudo dentro da normalidade, tudo conforme manda nossa sociedade. Descobri que sou reacionária e tudo que sempre combati está bem vivo dentro de mim. Estou em crise e depois que descobri isso passei a não conseguir conversar com meu filho sobre isso. Sou jornalista e sempre trabalhei em dois, três empregos. Nunca tive muito tempo disponível para meu filho. Sempre me senti culpada de tudo e sei que tenho culpa nisso que acontece hoje. Mas precisava garantir nossa sobrevivência e nunca desisti de trabalhar, trabalhar, trabalhar. Gostaria de saber o que fazer. Tem possibilidade de, em ele sendo homossexual, ser algo determinado pelo estresse que sempre teve dentro desta casa? Tem possibilidade de reverter? Como posso ajudar meu filho? Como posso nos ajudar meu filho a ser feliz independentemente da opção sexual? Obrigada, Cátia.

    Catia, 30 Anos - Ver Resposta

    Olá Cátia, como vai?
    Entendo que toda essa questão esteja deixando você sem saber o que fazer, angustiada e perdida, até mesmo pelas descobertas que estão surgindo em você.
    Porém, que tal, antes - ou ao mesmo tempo - de você querer ajudá-lo, procurar se ajudar?
    Muito provavelmente ele esteja sofrendo também por causa da pressão preconceituosa na escola, dos colegas, sua, da sociedade. Talvez esse seja um dos motivos que está contribuindo para seu isolamento. E não é para menos, afinal, ele parece não se enquadrar ao grupos onde sempre conviveu, onde sempre brincou e era aceito. É como se isso fosse uma doença contagiosa. E agora que existe essa suspeita de homossexualidade, ele não pode mais ser aceito como sempre foi. Como qualquer um de nós se sentiria se tivesse no lugar dele?
    Ninguém escolhe ser homossexual ou heterossexual. Não se trata de uma opção sexual, e sim, uma orientação sexual que cada um de nós temos. E o que há de errado ser homo? Por que alguém não pode manifestar seus desejos e emoções por alguém do mesmo sexo?
    Você já pensou que ao "sonhar com aquela família burguesa, com netos, tudo dentro da normalidade, tudo conforme manda nossa sociedade", é uma expectativa sua e não dele? Já pensou que talvez ele tenha outros planos?
    Cátia, o que você acha de procurar um psicólogo para ajudá-los? A ele para ter um espaço para falar de suas angústias e sofrimento, e a você do mesmo modo, para tentar se conhecer melhor, entender o que está acontecendo, e assim, ter um relacionamento mais saudável ele - o que você sacrificou muito em função do trabalho.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Olá Dr. Claudecy. Tenho uma filha saudável, de 12 anos. Fico satisfeita pois ela me conta, demonstrando muita confiança, seus anseios e angústias. Neste momento ela está muito angustiada e assustada pois acha que se sente atraída por suas amigas do mesmo sexo e tem pavor de se tornar lésbica. Em várias ocasiões me contou que estava gostando de um menino da escola, no ano seguinte, demonstrava interesse por outro, mas sempre de forma platônica, a distância. Há um ano, mais ou menos, ela me contou que uma amiguinha convenceu-a a ficarem as duas peladas e fizeram uma investigação de seus corpos. Em outra ocasião, esta mesma amiga, que tem a mesma idade, sugeriu que experimentassem um beijo de língua, ela topou e se sentiu muito arrependida e enojada. Ela me contou também que algumas vezes já se masturbou e, lendo suas respostas no site, acredito que tenha agido corretamente com ela, pois mostrei que a masturbação é algo natural e saudável. Haia uma novela na TV que mostrava um casal de adolescentes lésbicas e a forma como elas eram desprezadas por alguns colegas de escola. Minha filha viu alguns capítulos desta novela e, a partir dai, começou este pavor de vir a ser lésbica. Acredito que o que está acontecendo com ela é natural nesta fase da adolescência, em que há muitas descobertas sendo feitas em um momento em que ainda há a preferência das meninas pelas suas amigas do mesmo sexo do que por meninos e dai a confusão. Minha dúvida é - é isto mesmo que está ocorrendo? Como devemos, eu e meu marido, agir com minha filha de forma a não incentivar estes pensamentos e não confundi-la mais dando, ao mesmo tempo, atenção e apoio na medida certa? Dr, de antemão agradeço sua resposta e parabenizo-o pelo site, tão esclarecedor.

    Vera, 43 Anos - Ver Resposta

    Olá Vera, como vai?
    Posso imaginar o quão confuso está essa situação para vocês.
    Porém, penso que sua filha esteja sofrendo com toda essa turbulência emocional, na qual, de um lado está a moral de uma sociedade na qual julga que sentir atração por outra pessoa não é certo, e do outro lado o sentimento dela.
    Você está agindo de modo correto ao ouvi-la contando suas emoções, falar de
    suas angústias, sem criticá-la, entendendo que isso pode ser um processo de
    transição, de incertezas, muito comum nessa fase.
    Porém, acredito que ela possa se beneficiar de uma ajuda profissional de um
    psicólogo, na qual será possível se aprofundar nessas emoções e a ajudá-la a sofrer menos. Do mesmo modo como também poderá ajudar vocês enquanto pais.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • me chamo roseli,descobri a uma semana q meu filho e homossexual ele tem 17 anos,e é meu unico filho ele disse q é ativo,e que nunca sentiu atraçao ou desejo por mulheres ,tem uma rapaz na vida dele a 9 meses q ele diz amar,dr estou desesperada,pois vinhemos de uma prcedencia evangelica e tbm acredito e sei q é abominavel aos olhos de DEUS,LEVITICO 18.22 E 20 E 13,O QUE FAZER MINHA CABEÇA TA UMA BAGUNÇA JA FUI ATE PARAR NO HOSPITAL OBRIGADA ROSELI

    Roseli, 37 Anos - Ver Resposta

    Oi Roseli.
    Entendo seu sofrimento e sei que a religião é algo importante para você. Porém, sugiro que olhe para seu filho, não para sua religião, nesse caso. A religião tem a forma de ver essa questão, mas seu filho é normal, não há nada de errado em ser homossexual. Ele precisa sim, de você, de seu apoio, compreensão, afeto e carinho. Dessa forma vocês ficarão mais próximos, ele poderá contar com seu apoio e não precisará viver em guetos porque a mão dele não o aceita.
    Deixa Deus e Levíticos fora dessa. Aceite e ame seu filho como ele é.
    Caso esteja muito difícil para você, procure um psicólogo para trabalhar seus sentimentos.
    Caso esteja muito difícil para você, procure um psicólogo para trabalhar seus sentimentos.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Bom dia DR. Sou caasado a tres anos e estou com um problemão. Desde a minha adolescencia sempre senti atração por homens, porem sempre tive uma vida hetero sexual, sempre convivi com amigos heteros, relacionamentos heteros, enfim sempre fui macho. Porem apos dois anos de casado entrei nesses bate papos homosexuais e conheci um caaraq com quem sai. Depois disso sai com mais alguns e agora estou na duvida de como assumir que sou gay. Socorro minha cabeça esta muito confusa. Me ajude por favor.

    Joca Junior, 32 Anos - Ver Resposta

    Oi Joca.
    Isso confunde mesmo. Agora você está vivendo um turbilhão de sentimentos e questionamentos que, sem dúvidas estão te afetando muito.
    Infelizmente na cultura que vivemos o preconceito é muito alto, já melhorou, mas ainda tem muito para mudar. Isso implica em muitas pessoas terem que reprimir sua condição sexual para evitar ser retalhado. Provavelmente foi o que aconteceu com você.Porém, assim como todo ser vivo precisa de espaço para crescer, para se desenvolver, e o mesmo acontece com nosso lado social e profissional, também precisamos desenvolver nossa sexualidade, seja uma orientação homossexual ou heterossexual.
    Seja lá qual for o motivo, você reprimiu sua condição sexual. Agora está percebendo que o que o satisfaz de verdade é o que você está vivenciando na escondido. Vivenciar sua sexualidade assim, não é saudável, você não poderá ser pleno. Mas também sei que em muitos casos é difícil se se assumir, pois implica em ter que enfrentar situações e obstáculos grandes.
    Cada caso precisa ser analisado e individualmente para sabermos como conduzir. Seria importante que você buscasse a ajuda de um psicólogo para a entender melhor essa sua condição e a saber qual melhor caminho a seguir.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Doutor, sou casado e há tempo perdi o tesão por minha mulher. Nesse período conheci um homem e estou amando ele e ele a mim. Digo isso porque sinto por ele o que nunca senti por qualquer outra pessoa. Vai além do tesão. Eu nunca tinha tido um sentimento assim. Estou desesperado, já que tenho dois filhos de 11 e 16 anos, que amo demais. Sou um pai super presente. Tenho medo que minha separação vá prejudicá-los e que nos afastemos.Ao mesmo tempo fico com pena de minha mulher. E diante disso tudo vou vivendo infeliz. Não sei que decisão tomar. Não tenho coragem de falar isso com ninguém, apesar da vontade, mas sei que vou ser execrado pela minha familia. Já pensei em me separar e sei que não preciso espalhar pro mundo que sou gay. Por favor dê-me sua opinião.

    Pedro, 43 Anos - Ver Resposta

    Olá Pedro.
    Que bom que você está procurando ajuda.
    Imagino a confusão de sentimentos e dúvidas você deve estar sentindo.
    Sei que você não quer que as pessoas que você ama sofram, mas vamos pensar. Será que se você mantiver essa vida paralela, conseguiria continuar pleno com seus filhos, com sua esposa? Será que ela não perceberia que a sua distância emocional? As desculpas que você daria? Será que essa configuração seria sustentável?
    Eu entendo seu receio, mas o que tenho percebido na prática clínica é que às vezes nós subestimamos a capacidade do outro de elaborar notícias como essas. Os resultados que vejo normalmente são muito melhores que o esperado. Mas cada caso é um.
    Seria o importante pensar por outro anglo, que eles sofrerão sim, mas você dará a oportunidade deles elaborarem esses sentimentos, de entenderem a realidade e assim, todos poderão ser plenos. Alguns podem precisar de um tempo diferem do outro para esse processo. Mas ficar protelando, pode apenas causar mais sofrimento.
    Pode ser que você precise de apoio psicológico, não hesite em procurar um. Será importante nesse processo.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Olá doutor. Sou homossexual, namoro uma garota linda a quase dois anos, mais meus pais nao sabem. comecei a me interessar por garotas com 12 anos e com 15 a ficar. Minha mae tem uma certa desconfiança e ficou sabendo desse meu namoro pela minha irmã que descobriu e contou a ela, mais nao comenta nada pois nao ouviu nada da minha boca. digamos q sou a garota rebelde da familia a que sempre faz as coisas erradas. Eu queria contar a minha familia sobre minha opção sexual e sobre minha namorada mais tenho medo da reação da minha mãe pois desde que começou a desconfia deixou claro que é contra e nao aceita de jeito nenhum, vive pedindo para que nao a decepcione, e eu nao sei o que eu faço doutor, queria muito nao precisar mais mentir pra ir ver minha namorada escondida, que eles pelos menos aceitassem mais nao sei nem como falar com eles. Acabei meus estudos agora e pretendo arrumar um emprego antes de pensar em faculdade, gostaria de fazer psicologia, eles apoiam isso e ate estao pondo pressao pra mim fazer mais nao ajo bem sobre pressao, mais oq eu queria mesmo é me livrar desse encomodo de ter que esta escondendo tudo deles pois muitas vezes fico pra baixo dentro de casa, infeliz porque eles nao aceitam nem demonstram aceitar a minha opão sexual. O que eu faço doutor? conto agora ou espero mais um pouco? Obrigado.

    Jessica, 19 Anos - Ver Resposta

    Oi Jessica.
    Eu entendo como esse situação em que você se encontra é difícil. Ao mesmo tempo eu a parabenizo por procurar ajuda.
    Uma observação importante para você é que quando nos referimos a homossexualidade não dizemos "opção", pois ninguém opta em ser gay ou hétero, mas sim, dizemos "orientação sexual".
    Quando estamos dentro da cada dos nossos pais, dependendo deles ainda, penso que eles tem o direito de colocar as regras que eles acham que são certas, mesmo que não sejam. Mas a casa é deles e isso precisa ser respeitado. Isso se torna pior quando essas regras nos deixam infelizes ou mesmo impedem nosso crescimento.
    Sinto que você gostaria muito de ser aceita em casa na sua condição, mas parece que seus pais deixam claro que isso não será tolerado. Nesse caso é uma situação difícil para ambos os lados. Eles agem assim por falta de conhecimento. Apenas acreditam na forma deles pensarem. Em casos assim, penso que não adianta muito bater de frente, só vai piorar. Espere você ter autonomia, condições de se sustentar só, buscar seu caminho e então viver sua sexualidade do modo como você desejar.
    Quanto a estudar psicologia, que legal. Posso dizer que é uma área fascinante.
    Quanto a sua ideia de trabalhar um tempo para depois fazer a faculdade, só não sei se á a melhor opção. Quanto mais logo você puder começar é melhor, pois vai se formar e adquirir experiência mais cedo. Será que não daria para estudar e trabalhar ao mesmo tempo?
    É isso aí. Depois mande notícias.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

Contato

  • (11) 5092-3898
  • (11) 93800-4469
  • contato@claudecy.com.br
  • Av. Bem-te-vi, 333 - Conj. 61 - Moema - SP

Mídias Sociais

Newsletter

Cadastre-se e receba novidades em seu e-mail