Destaques

  • Parabéns pelo ótimo trabalho! Queria que fosse fácil encontrar profissionais como você no mercado. Desconfio ter sido vítima de um psicólogo mal intencionado. Tenho 24 anos e ainda não consegui iniciar minha vida sexual. Como esta situação me incomoda, decidi dar um fim nesta situação e procurei um psicólogo para me ajudar a superar minhas inibições. Este homem é budista e contei todos os meus sentimentos e fantasias sexuais a ele. Ele condenou muitas destas fantasias, mesmo sabendo que não preciso delas para ter excitação sexual. Quando falei que precisava encontrar uma parceira sexual, ele disse que era apenas meu desejo de momento e que tudo é passageiro. Ele trabalha em uma sala pequena e escura e coloca uma música própria para reduzir a frequência das ondas cerebrais. Além disso a sala é odorizada e eu me sento em uma poltrona bem confortável. Então, com tudo isto, o paciente fica vulnerável a qualquer sugestão que ele queira enfiar em seu inconsciente. Quando eu percebi, fui para sua sessão preparado. Prestei atenção em seus movimentos, e vi que quando eu falava algo de que ele não gostava, ele fazia caretas bem feias, de modo a fazer eu me sentir culpado. Quando eu conto sobre uma obrigação que tenho para cumprir ele me pedia para trazer para ele uma prova de que eu fiz, não deste modo explicito, é lógico. Eu tinha muitos sonhos eróticos, depois de algumas sessões, a sexualidade começou a desaparecer dos meus sonhos. Não só minha libido diminuiu, como diminuiu meu apetite para comida, comecei a ter pertubações no sono, e até o prazer que eu tinha com algumas atividades referentes a minha vida profissional enfraqueceu. A sorte é que eu interrompi a terapia antes deste homem sugar todo o meu prazer. A última coisa que ele me disse, quando percebeu minha rebeldia, foi que querendo ou não querendo as coisas são passageiras. Percebi que para ele defender as suas crenças é o mais importante. Agora, toda vez que faço planos para meu futuro sexual, me vem as lembranças desta sala de lavagem cerebral e me sinto culpado. Preciso saber de um profissional: o procedimento que este homem adotou é correto? O que devo fazer agora?

    Alexandre, 24 Anos - Ver Resposta

    Olá Alexandre.
    Obrigado pelos elogios e parabéns por você não ter desistido de resolver seu problema.
    Se você se sentiu mal ou prejudicado com o atendimento que recebeu, você tem o direito de entrar em contato com o Conselho Regional de Psicologia e manifestar seu descontentamento. Assim serão tomadas as devidas providências legais.
    O leigo muitas vezes acredita que o profissional está agindo com base numa fundamentação teórica científica bem como com princípios éticos, mas pode ser que isso não ocorra. Nesses casos, os Conselhos Regionais precisam saber para poder investigar.
    Quanto ao seu caso, todas essas questões e dificuldades que você apresenta, precisam ser investigadas por um psofissional de modo a compreender o que causou e o que mantém essas questões. Assim será possível ajudá-lo a resolver o que está atrapalhando seu desenvolvimento.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

Contato

  • (11) 5092-3898
  • (11) 93800-4469
  • contato@claudecy.com.br
  • Av. Bem-te-vi, 333 - Conj. 61 - Moema - SP

Mídias Sociais

Newsletter

Cadastre-se e receba novidades em seu e-mail